segunda-feira, 7 de maio de 2007

Racionais Mc's na Mídia: Criminalização do Hip Hop

Mais de 3 milhões de pessoas (3 vezes a população de Campinas!) se reuniram na madrugada de sábado para domingo na Praça da Sé para assistir a um show da virada cultural. Vários amigos meus daqui de Campinas foram ao show. Uma oportunidade rara: Racionais Mc’s de graça, na faixa...

Vou me ater aos comentários e interpretações sobre alguns fatos e algumas notícias que tive por parte de alguns membros do movimento com quem conversei. As notícias da imprensa burguesa estão nos links abaixo.

É verdade que em shows de rap ao ar livre que contam com a segurança “garantida” pela PM o clima fica tenso o tempo todo. Existe uma rivalidade aí, todos sabemos.Os “pretos” cançaram de apanhar e resolveram extravasar seus sentimentos, e isto é feito em forma de rimas. A polícia não pode admitir isso...
Porém, é verdade também que é comum em qualquer show que aglomere um número tão grande de pessoas ocorram problemas. Qualquer ser humano, agressivo ou descontrolado, sendo rapper ou não, ao se encontrar em uma situação onde a multidão lhe dá cobertura, aproveita a situação para extrapolar impunemente. Assim aconteceu no show “AMIGOS” (Chitãozinho e Xororó, Zezé de Camargo e Luciano, Leandro e Leonardo, etc.), com apoio da Globo, há uns anos atrás, quando mais de 100 mil pessoas presenciaram a morte de mais de 10 pessoas após um tumulto. Depois, assistimos ao “silêncio” da imprensa sobre os fatos (o caso foi flagrantemente “abafado”). Ninguém viu as câmeras da globo filmando as pessoas que morreram pisoteadas. Quando o tumulto acontece em um show do Racionais, os jornalistas carregam na tinta logo na seqüência, automaticamente. É a vingança dos jornalistas “playboys” que são ignorados e rejeitados pelos “negrões carecas semi-analfabetos da periferia”, bem ao gosto dos interesses editoriais da imprensa burguesa (e racista) e da classe social que ela representa. Já consigo ver o Datena e outros, em seus programas sensacionalistas, destilando seus venenos amanhã (segunda, 7 de maio de 2007).

Existe uma tentativa de criminalização do Hip Hop, através da deturpação da imagem de seu maior expoente, em curso já há alguns anos.

O Racionais Mc’s chega a atingir a casa dos milhões de cópias vendidas com seus álbuns alternativos, sem esquema com Faustão ou musica em novela. O grupo de rap paulista não permite que sua imagem seja associada ao projeto de responsabilidade social da Globo (com iniciativas como a parceria com o MV Bill) ou até mesmo a tentativas de diálogo da emissora com o público do Hip Hop (como Cidade de Deus, Antonia, etc.). Televisão, para eles, no máximo um programa “Ensaio” na Cultura ou um videoclipe na MTV. Imprensa escrita, só a imprensa alternativa do movimento, às vezes uma Caros Amigos... Isto mexe com os brios da “toda poderosa”. E com os brios dos jornalistas de plantão que não conseguem acessar o grupo.

A mídia evita demonstrar ao público a trapalhada que os tucanos fizeram ao organizar este show. Subestimaram a capacidade de atração de público do Rap, permitiram que a polícia interferisse da pior forma possível e fizeram um evento desorganizado que gerou revolta pelo atraso e desrespeito com o público (que não era o mesmo dos outros evento, é claro...), porém saem ilesos do processo. Segundo editorial de um jornal da emissora Globo News, “dos 350 eventos da virada cultural apenas neste houve ocorrência e o prefeito Kassab garantiu que a virada vai continuar”. Para eles, apenas neste evento haviam vândalos criminosos, o que explica o tumulto. Para o Hip Hop, foi o único evento onde a polícia agrediu o público, onde o estado reprimiu a população de forma irresponsável. Há muito a ser refletido sobre este evento, tanto pelas lições que as interpretações dos fatos vão gerar na sociedade em geral, quanto pela reflexão a ser feita sobre a própria postura do movimento Hip Hop, um movimento que tenta se afirmar enquanto manifestação artística ao mesmo tempo em que faz militância social e possui várias facetas, muitos matizes.

Em nenhum momento o Racionais Mc’s incitou o público a um confronto com a polícia. É correta e evidente a constatação de que suas músicas denunciam a violência policial de uma forma contundente. Porém, entre uma música e outra, quando a confusão começou, as palavras de Mano Brown buscavam esfriar os ânimos e encerrar o conflito. Fora o “tapa na cara” da crítica das letras e as palavras de ordem do público que realmente provocava os policiais, para que a verdade seja estabelecida, o que ocorria no show até que a polícia entrasse em ação é o corriqueiro em qualquer evento de grande porte, de qualquer gênero musical, que envolva um número tão grande de pessoas. Não justifica a ação da tropa de choque ao estilo “invasão do carandiru”.

Quando os “garotos de rua” (o que eles querem com este termo...) subiram na banca de jornal (para assistir o show de uma posição melhor, e não invadir e roubar os apartamentos, conforme noticiou a Folha), na sacada de prédios e até mesmo nas caixas de som do evento, simbolicamente estavam buscando um lugar no “camarote”, nem que fosse somente por alguns segundos. Era o momento para ter voz e vez. Isto significa o Hip Hop na vida de muitos jovens da periferia: a conquista da auto-estima, a tentativa de compreensão e denuncia da realidade opressiva do Brasil, ou até mesmo um grito para a sociedade de “eu existo” e “assim as coisas acontecem onde eu moro e em minha vida”. Algo inadmissível aos olhos da elite de nosso país. Quando os policiais reagiram às “provocações” e “insultos” com balas (de borracha e de verdade), gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral (o que realmente causou o tumulto, pois a multidão reagiu à altura com garrafas, pedras e tudo que houvesse por perto, inclusive destruindo tudo em sua volta enquanto fugiam das borrachadas...), era a burguesia reagindo por meio de outros cidadãos da periferia (que irônico...), mal pagos, mal preparados, mal equipados, e que encontraram uma boa oportunidade para deixar aflorar o seu ódio e desabafar sua frustração cotidiana. Eles queriam participar da festa. E conseguiram.

Impressionante a postura do Suplicy no show e nas entrevistas: preciso e na medida certa, como tem sido a alguns anos em relação ao movimento hip hop. É impressionante como a sociedade se diverte com algumas atitudes do senador, como quando ele cantou um rap do Racionais Mc’s (Um Homem na Estrada, por sinal um clássico) no Jô Soares ou no Senado. Muitas vezes, até dentro do PT há quem ria de posturas do Suplicy como esta. Sintomático. Na maioria das vezes, quando rimos, o fazemos por perceber que algo foge completamente do padrão estabelecido como "normal". Atitudes como a de Suplicy, de tentativa de diálogo (mesmo que trôpega em alguns momentos) com o movimento popular, se tornaram coisa rara - e engraçada - dentro do PT...

Não que eu queira ter a pretensão de colocar o Hip Hop no mesmo nível de um MST. Guardemos as devidas pretensões e respeitemos as particularidades de cada movimento. Apesar de acreditar que o Hip Hop possui um grau de radicalidade parecido com o do MST, precisa aprender muito com o MST em termos de direcionamento organizativo e político. Mas vale uma reflexão a respeito.

Um pouco de opinião inviesada:

Manchete o portal globo.com: “Show dos Racionais termina em quebra-quebra e confronto entre platéia e polícia”

Link:
http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL32020-5605,00.html

Manchetes da Folha Online: “Virada Cultural se transforma em campo de batalha no centro de SP” e Relato da Virada: "Vi um homem erguer uma arma e atirar"

Link:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u135031.shtml

Link:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u135041.shtml

Manchete do UOL: “Polícia e público entram em confronto em show do Racionais na Sé”

Link:
http://musica.uol.com.br/ultnot/estado/2007/05/06/ult4522u4.htm

4 comentários:

Aliadaci disse...

Lido e aplaudito!
Acho que ja está na hora de vc tentar vender suas matériase investir em divulgação desse blog!
Não vejo muitas de qualidade com esta na internet!
Bjão

Rafael disse...

Aí ...
cada dia q passa eu te admiro mais,elemento lendo algumas materias do seu blog,acredito em vc e acredito ainda mais que o movimento hip hop é a revolução para o povo preto...
tamo juntão eh nois !!!
fika na paz
fui...

Mateus disse...

é evidente que a polícia racista tava pronta pro ataque. o tenente disse à folha: "É só ver o histórico do Racionais. Acaba sempre assim. Mas nós já estávamos preparados para isso acontecer", afirmou o tenente"
ou seja já estavam preparados pra descer o cacete!
Eu estava lah no show do Nação Zumbi e tinha um gente subindo nos porta-bandeiras, nas bancas...

Mateus disse...

ah, outra coisa... falar que opublico se irritou por causa do atraso? depois dos Racionais terem tocado 25 minutos ? fala sério...