terça-feira, 12 de agosto de 2008

Morre Isaac Hayes


Morreu no domingo (10 de agosto de 2008), nos EUA (Menphis - Tennesse), aquele que talvez seja a maior influência para o surgimento do rap como um estilo de música. Sem Isaac Hayes, o rap provavelmente não seria o rap, ele seria uma outra coisa...

Aos 65 anos, o cantor foi encontrado inconsciente pela sua esposa, próximo a uma esteira ergométrica. Os paramédicos não conseguiram evitar o pior no caminho para o hospital. Ainda atônitos com a morte repentina e absurda de duas importantes figuras do rap de Campinas (Alex F, do Sistema Negro, e o parceiro Careca, o Killaman), eis que somos surpreendidos com mais uma baixa em nossas fileiras. Será o fim de uma era?


Hayes fez sucesso na gravadora Stax, que seguia a mesma linha da Motown e disputava espaço com ela na época, com o álbum "Hot Buttered Soul", o disco épico em que ele exibe sua clássica careca na capa. São 4 faixas apenas, de longa duração, onde ele "(sic) se preocupa mais com a arte em si do que com as vendas", segundo suas próprias palavras. E vendeu mais de 1 milhão de cópias, ironicamente, contrariando toda a lógica do mercado fonográfico.

O cantor conheceu a consagração definitiva ao ganhar um Oscar com a música do filme Shaft - "Theme from Shaft", de Gordon Parks. Ele foi o primeiro músico negro a alcançar tal feito. Sua performance na cerimônia do Oscar, pilotando um piano flutuante e vestindo uma espécie de camiseta feita de correntes, causou tanto impacto quanto a música. Com a mesma música, aliás, ele ganhou também um Grammy. Já os entendidos de soul music, entre eles muitos rapper's, preferem "Walk on By". Os climas de suas composições são inconfundíveis, entre guitarras wah-wah, metais, canto falado e viagens psicodélicas.

Em 2000, Hayes atuou na refilmagem de Shaft, com direção de John Singleton e ao lado de Samuel L. Jackson. O filme fez parte de um movimento que colocou os negros na posição de protagonistas pela primeira vez no cinema norte-americano: o "blaxploitation". Isso em meio ao movimento por direitos civis. Outros filmes, como Dead President's e Kill Bill, utilizaram suas músicas em trilhas sonoras.

Hayes, aos cinco anos, já cantava em um coral da Igreja. Aprendeu sozinho a tocar órgão, piano e saxofone. Seu estilo é definido por muitos como um "soul sinfônico". Ele inovou, ao cantar com seu vozeirão, num tom abaixo daquele que os soul man's de sua geração cantavam. Suas músicas seguiam um padrão não-comercial, muitas vezes com mais de 10 minutos de duração e instrumentalmente muito ricas, com arranjos sofisticados.

Os mais novos conheceram Hayes pela dublagem do personagem Chef do desenho animado "South Park". Ele participou do desenho de 1997 a 2003, quando saiu em protesto após a série zombar da "cientologia", seita da qual o cantor faz parte, junto com Tom Cruise e outros.

Em 2001 ele produziu o álbum de estréia de Alícia Keys, "Songs In a Mirror", que revelou a cantora de R&B. Já foi homenageado por diversos grupos de rap, em sampler’s que vão do CMW ao Wu-Tan Clan. Em 2002 ele ganhou uma estrela no Hall of Fame.

2 comentários:

carlos guitar disse...

Fala ai elemento !
Com certeza mais um luto para os amantes da black music.
Não acho que seja o fim de uma era, acho que a Black Music, ganhou muito espaço em vista de anos atrás.
Hoje a burguesada curte um som black, tem rádio de playboy que toca música black, coisa que antes rolava um certo preconceito do tipo: música de favela e de ladrão.
Grupos atuais, deveriam pegar o bonde de personalidades fortes do Rap como Racionais, Thaide, Pavilhão nove, D2, entre outros, que conseguiram traspassar essa barreira preconceituosa e estourar com hits nas paradas das melhores rádios nacionais, não só de música negra. Sair do seu habitat, e conseguir mostrar seu trabalho em outro ambiente, e ser aplaudido por tal feito, talvez seja a maior sacada que a música e as artes em geral podem proporcionar. Hayes fez isso, e deve estar curioso lá pra saber quem vai ser o próximo a
deixar sua história como legado à uma nova era da música.
Abraço !

DJ Zonattão disse...

Issac Hayes é Fenomenal

Só discordo de um quesito, que na minha opinião, e por questões de registros musicais históricos aquele que talvez seja a maior influência para o surgimento do rap como um estilo de música seria Gil Scott Heron.