sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Porque Consciência Negra?



Todo dia 20 de novembro o debate surge novamente: porque Consciência Negra? Porque não um dia para a Consciência Branca?

O brasileiro, visto como um povo que adora um feriado, questiona a existência do feriado de 20 de novembro, nas Cidades e Estados onde ele existe... Justamente o 20 de Novembro, o Dia da Consciência Negra. Aqui em Campinas, onde hoje é feriado, por uma Lei do então Vereador Sebastião Arcanjo do PT (o Tiãozinho), o comércio não para, como é de se esperar do comércio, um dos setores do mercado onde as piores relações de trabalho acontecem, onde os direitos trabalhistas são mais desrespeitados. O que é impressionante é ver que muitos explorados, trabalhadores do Comércio, "alienados" pelo sistema, se colocam como porta-vozes de seus patrões e também são contra o feriado - embora gostem de todos os outros...

Precisamos entender, em primeiro lugar, que o 20 de Novembro é o dia da imortalidade de Zumbi, o líder de Palmares, que a aproximadamente 309 anos foi assassinado, e que é um herói nacional que deve ser reconhecido por todos os brasileiros com orgulho, por seu exemplo de luta pela igualdade.

Por outro lado, mesmo após mais de 1 século da abolição, as estatísticas mostram que os negros são minoria absoluta nas Universidades, ganham os piores salários, são a maioria entre os desempregados, são as maiores vítimas da violência policial (mesmo aqueles que não cometeram crimes...), entre outros dados. A liberdade formal não significou a conquista da cidadania, pois o negro continuou nas fazendas, em condições iguais ou piores, ou foi parar nos cortiços e depois nas favelas, sem que o Estado intercedece por eles.

Durante muito tempo, os negros, por questões de baixa auto-estima (por não se reconhecerem nos livros didáticos, na TV, nos cargos de direção e outros espaços de poder) ou de desconhecimento da sua própria História (com H maiúsculo mesmo...), pela força da ideologia racista de uma sociedade que discrimina sem assumir seu preconceito, se auto-atribuiu a culpa pelas mazelas que vive. O recado do movimento negro à sociedade, quando fala de "Consciência Negra", é o de que os negros devem conhecer sua própria História, para que, livres de manipulações ideológicas, possam construir uma sociedade mais justa, brigando pelo seu espaço. Não se trata de racismo ao contrário, como muitos teimam em dizer. O racismo não foi criado pelos negros, muito pelo contrário, somos a maior vítima dele. Nossa intenção é justamente extinguir o racismo. Para realizar esta tarefa, precisamos viver numa sociedade mais democrática e que não tenha medo de repensar suas bases, inclusive revendo privilégios, para que eles não mais existam...

O Dia da Consciência Negra é um dia de reflexão sobre a atual situação do negro na sociedade brasileira. Um dia de apontar desigualdades, injustiças e contradições. Nem todos vão gostar deste processo - principalmente os privilegiados por este sistema excludente, ainda que não admitam.

Hoje eu vi, num programa da TV da Cultura, uma das apresentadoras (branca, assim como os outros dois apresentadores...), dizer que conversou com as "meninas" do camarim (provavelmente pessoas da limpeza ou da maquiagem...) e que as mesmas afirmaram que são favoráveis a comemorar Zumbi como herói nacional, mas que não concordam com a idéia de Consciência Negra. Em seguida, a apresentadora diz que concorda com elas... Que irônico: os apresentadores usaram os negros que trabalham na emissora para legitimar suas idéias, equivocadas na minha opinião. Justamente aqueles que estão atrás das câmeras e somente apareceram para legitimar a visão daqueles que estão na frente das câmeras, monopolizando a palavra. Os negros, por sua vez, mostraram que desconhecem sua História, ao servir de bucha de canhão para o argumento dos apresentadores. É justamente por isso que queremos a Consciência Negra: para que os negros se coloquem diante dos brancos em condição de lutarem por seu espaço (em oportunidades iguais e democráticas), apontando a contradição de quem está a mais de 500 anos "atrás" dos brancos, escondidos nos "camarins" da vida. Queremos estar na frente das câmeras, dividindo espaço com os brancos, em condições iguais, escrevendo nossa própria História, através de nosso protagonismo. É por isso que queremos a Consciência Negra. E é por isso que muitos temem esta condição: à eles interessa apenas o negro subserviente, alienado, submisso e conformado... Um inconsciente.

Não queremos oprimir ninguém. Queremos, pelo contrário, superar a nossa posição de oprimidos. Este processo se dará através de algum constrangimento, necessário neste momento. Todos aqueles que abominam a opressão, independente se negros ou brancos, que nos acompanhem.

Viva Zumbi! Viva a Consciência Negra!

3 comentários:

Cibele Rodrigues disse...

Belo texto!
Parabens

Lau Francisco disse...

Salve Elemento!

Vejo que o feriado de 20 de novembro ainda é visto de forma muito limitada. O que as pessoas precisam entender é que passou o tempo em que esse tipo de comemoração ficava restrito aos movimentos militantes. Hoje, são outros tempos. Precisamos do povo na rua, os jovens discutindo sua negritude nas escolas e nos seus bairros. Precisamos de professores negros que sirvam de espelho e inspiração. As pessoas precisam entender o 20 de novembro como o início de uma revolução. Não basta somente atores negros na novela das 20h, mas escritores, advogados, engenheiros e arquitetos, etc. Tenho a esperança que um dia chegaremos lá..
abs!

Anônimo disse...

Olá trata-se a 3ª vez que li o teu blog e adorei tanto!Bom Projecto!
Até à próxima